Menos razão e mais emoção no relacionamento

Meu trabalho como consultor é ajudar empresas a construírem bons relacionamentos com seus clientes para que as experiências deles com a marca sejam cada vez mais marcantes. Pode parecer legal, mas confesso que em algumas vezes as conversas ficam bem chatas, principalmente pela falta de visão de algumas empresas que não querem compreender que vivemos novos tempos e que ouvir sinceramente o cliente é muito mais importante do que falar.

Desenvolver uma estratégia onde a emoção, a sensibilidade e a consciência de que os clientes são seres humanos e, portanto, podem ser mutáveis em seus comportamentos, está cada vez mais perdendo espaço nas empresas para os dados, algoritmos, modelos preditivos, automações de campanhas e tudo mais que a tecnologia está permitindo fazer.